Rua Celso Xavier, 590 Centro

Cep 11900-000 Registro SP

(13) 3821-7630 (13) 99764-2388

contato@imoveisrino.com.br

COMO ESCOLHER O MELHOR IMÓVEL E DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

COMO ESCOLHER O MELHOR IMÓVEL E DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

COMO ESCOLHER O MELHOR IMÓVEL E DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

Graças a programas de financiamento como o Minha Casa, Minha Vida, ter um cantinho só seu é um sonho que está cada dia mais próximo para muita gente. Mas na hora de de usufruir do benefício, surge a dúvida: como escolher o melhor imóvel?

No post de hoje, descubra o que levar em conta na hora de escolher onde investir e quais regras devem ser seguidas nesse momento:

As regras do programa

O programa Minha Casa, Minha Vida é voltado para famílias que desejam sair do aluguel, mas não têm renda suficiente para se enquadrar em outros tipos de financiamento.

Para atender a diversos públicos, o programa é dividido em 4 faixas:

  • faixa 1: voltada para famílias com renda de até R$ 1.800;
  • faixa 1,5: para lares com renda de até R$ 2.600;
  • faixa 2: para famílias com renda mensal de até R$ 2.600, além de financiário de menos de 30 anos ou com renda de até R$ 4.000;
  • faixa 3: voltada para famílias com renda de até R$ 7.000 mensais.

Além de saber qual faixa do programa é a mais indicada para você, também é bom ficar atento ao valor máximo do imóvel que será financiado. Afinal, essas cifras podem mudar conforme a cidade ou estado em que você reside.

Os preços dos imóveis

O valor máximo que pode ser financiado por imóvel é definido de acordo com a região do país e o custo de vida de cada local.

A seguir, reunimos as principais faixas de preço e os critérios utilizados pelo programa:

Entre R$ 90.000 e R$ 135.000

Essa faixa de preço é destinada a municípios com menos de 250 mil habitantes. Os estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Distrito Federal praticam os valores mais altos, enquanto a região Norte e Nordeste não passam dos R$ 120.000.

Entre R$ 150.000 e R$ 170.000

Faixa de preço praticada nos municípios com mais de 250 mil habitantes, ou em regiões metropolitanas com mais de 100 mil habitantes. Nas regiões Centro-Oeste, Norte e Nordeste, esse é o preço praticado nas capitais.

Entre R$ 180.000,00 e 225.000,00

Esses são os valores definidos para as capitais das regiões Sul e Sudeste e, também, nas metrópoles em geral.

As faixas de preço podem variar conforme as fases do programa. Por isso, é bom ficar de olho e sempre pedir simulações de financiamento.

Os tipos de imóveis

No programa Minha Casa, Minha Vida, os tipos de imóveis disponíveis para financiamento são bem diversos. Em geral, tratam-se de lares em condomínios ou habitações, podendo ser casas, apartamentos ou kitnets.

Quando se pensa em imóvel do Minha Casa, Minha Vida, logo vem à mente as casas e apartamentos populares construídos, em geral, pelas Prefeituras. Porém, existem construtoras e empresas que também participam do programa e oferecem imóveis com boa localização e um padrão diferente.

Por isso, é importante ficar atento aos planos de financiamento e às possibilidades disponíveis na sua cidade. Assim, é possível encontrar o imóvel ideal para você e com condições de pagamento acessíveis.

A escolha do melhor imóvel

Agora que você já sabe a faixa de preço da sua região e os tipos de imóveis que você pode financiar, é bom colocar alguns itens na sua lista de prioridades na escolha do imóvel. Siga nossas dicas abaixo:

  • local e arredores;
  • segurança;
  • acesso a transporte público e outros serviços;
  • regras do condomínio, se for o caso;
  • possibilidade de redecoração, para deixar o novo lar do seu jeito.

Além disso, é bom se atentar a outros fatores, como a qualidade dos materiais utilizados na obra, se for imóvel na planta ou novo. Se puder, faça uma checagem geral no imóvel e o visite várias vezes antes de fechar negócio. Assim, se houver qualquer problema, você vai saber.

Pode até parecer simples, mas escolher o melhor imóvel é uma tarefa bem difícil, especialmente se houver muitas opções. Portanto, leve em conta todos os fatores e todas as possibilidades de financiamento e negociação. Assim, o sonho da casa própria nunca vai se tornar um pesadelo.

MINHA CASA MINHA VIDA: QUAL A DOCUMENTAÇÃO PARA PARTICIPAR DO PROGRAMA?

Não há quem, morando no Brasil, não tenha ouvido falar no programa Minha Casa Minha Vida. Essa iniciativa do governo tem ajudado milhares de famílias na compra de sua casa própria desde 2009, além de gerar emprego e renda no setor da construção civil.

Porém, apesar de ser bastante conhecido pela população brasileira, ainda restam muitas dúvidas sobre seu funcionamento, critérios para participação e, principalmente, sobre a documentação para Minha Casa Minha Vida.

Se você tem interesse em financiar um imóvel pelo programa, ou simplesmente gostaria de conhecer melhor o seu funcionamento, veja algumas informações importantes!

Critérios para participar do programa Minha Casa Minha Vida

Inicialmente, qualquer brasileiro a partir de dezoito anos pode ser elegível para adquirir uma residência ou apartamento por meio do programa, mas existem alguns critérios para a liberação do subsídio, bem como fatores que podem desclassificar o interessado.

Confira!

Limite de rendimentos

Foram feitas algumas mudanças nas diretrizes do programa em 2017, e as regras se tornaram mais flexíveis para permitir que mais brasileiros tenham acesso a este programa habitacional.

O limite de renda, por exemplo, passou a ser de R$ 9.000 — cada faixa de rendimentos conta com um tipo de subsídio:

  • faixa 1: rendimento bruto até R$ 1.800,00;
  • faixa 1,5: rendimento bruto de até R$ 2.600,00;
  • faixa 2: rendimento bruto de até R$ 4.000,00;
  • faixa 3: rendimento bruto de até R$ 9.000,00.

Valor do imóvel

O imóvel a ser adquirido pelo programa Minha Casa Minha Vida deve ter valor máximo de R$ 190.000,00 — porém, esse valor depende dos rendimentos e outros critérios estabelecidos pelo governo.

Fatores restritivos e desclassificatórios

O participante pode ser desclassificado se:

  • já recebeu qualquer benefício de moradia do governo;
  • já for proprietário de um imóvel;
  • estiver cadastrado no Cadastro Nacional de Mutuários;
  • estiver cadastrado no Cadastro Informativo de Créditos não Quitados do Setor Público Federal;
  • já participou do Programa de Arrendamento Residencial;
  • for funcionário da Caixa Econômica Federal;
  • possuir dívidas, de qualquer tipo e valor.

Documentação para Minha Casa Minha Vida

Um dos maiores motivos de atrasos — e até exclusão de programas de habitação em geral — é a falta de documentação necessária para avaliação financeira e análise para liberação do crédito.

Se o interessado não entregar todos os documentos exigidos pelo banco ou pela instituição financeira, suas chances de aprovação no programa diminuem bastante.

Por isso, preparamos uma lista com toda a documentação para Minha Casa Minha Vida:

Documentação dos proponentes

O interessado em adquirir os subsídios do governo na compra do primeiro imóvel deve apresentar uma extensa lista de documentação para Minha Casa Minha Vida.

Em caso de composição de renda com o cônjuge ou mesmo com alguém da família, devem ser apresentados os documentos de todos os envolvidos:

  • Documentos de identificação:
    • Carteira de Identidade (RG);
    • Cadastro de Pessoa Física (CPF);
    • Carteira Nacional de Habilitação (CNH);
    • Carteira de identificação profissional com foto (OAB, CREA etc.);
  • Carteira de trabalho (CTPS) ;
  • Comprovante de estado civil:
    • para solteiros: certidão de nascimento;
    • para casados: certidão de casamento;
    • para separados ou divorciados: certidão de casamento averbada;
  • Comprovante de renda (holerites);
  • Comprovante de residência atual;
  • Declaração de contribuição do imposto de renda.

Documentação do imóvel

  • Contrato de opção de compra e venda;
  • Matrícula do imóvel atualizada;
  • Certidão de logradouro fornecida pela Prefeitura.

Documentação da obra

  • Projeto e alvará de construção aprovados;
  • Matrícula da obra no INSS;
  • Projeto ART (arquitetônico, execução e complementares);
  • Memorial descritivo do projeto com especificações técnicas;
  • Orçamento discriminativo da obra;
  • Declaração elétrica e de esgoto;
  • Documentos de identificação do construtor ou responsável técnico:
    • Carteira de identidade (RG);
    • Cadastro de Pessoa Física (CPF);
    • Carteira do CREA.

O banco ou instituição de crédito pode solicitar outros documentos antes de concluir o processo de análise da proposta, mas, de forma geral, a lista de documentos aqui apresentada é completa e contempla as exigências de diversos bancos, inclusive da Caixa Econômica Federal, principal parceira do programa.

Apresentar a documentação para Minha Casa Minha Vida é o primeiro passo na conquista da casa própria, e por isso é importante se informar e estar preparado na hora de solicitar seu financiamento.

Que tal compartilhar nosso post nas redes sociais e ajudar seus amigos que estão pensando em comprar o primeiro apartamento?

FONTE: comocomprarumapartamento

Veja também:

Realize o sonho da casa própria

Veja 4 fatores que influenciam no valor de um imóvel

Buscando um Imóvel? Encontre na Rino Imóveis

img

admin

Posts relacionados

Agora é a hora de investir em imóveis

Agora é a hora de investir em imóveis O aumento da demanda por imóveis, a queda na taxa de...

Continue lendo
por admin

Tentando alugar a casa e sem interessados? Saiba como resolver

Tentando alugar a casa e sem interessados? Saiba como resolver Se possui o seu imóvel há muito...

Continue lendo
por admin

É melhor comprar um terreno ou um imóvel?

É melhor comprar um terreno ou um imóvel? Várias coisas devem ser levadas em consideração na...

Continue lendo
por admin

Participe da discussão

%d blogueiros gostam disto: